Em formação

Uma palavra que inclui plantas e fungos, mas não animais


Olá biólogos e entusiastas da biologia!

Estou trabalhando em um projeto que inclui informações sobre plantas e fungos. Seria muito útil para mim se houvesse uma palavra que significasse plantas e fungos, mas não tenho certeza se existe. "Flora" inclui apenas plantas, mas "biota" inclui animais.

Obrigado!


Resposta curta

Não existe tal palavra que eu possa pensar.

Resposta longa

Nota: embora os fungos já tenham sido considerados aglomerados com as plantas, tais classificações caíram em desuso há mais de 60 anos (ou antes). Veja aqui um resumo.

Nomenclatura "becos sem saída"

Usar a abordagem taxonômica tradicional (incluindo o sistema de classificação de 3 domínios familiar de Woese) não fornecerá o termo coletivo que você está procurando. Plantas, animais e fungos são todos os reinos classificação neste sistema; a única classificação superior ao reino neste sistema é domínio (neste caso, "Eukarya"), que incluiria todos os 3 reinos.

Se adotarmos uma abordagem cladística, podemos investigar a nomenclatura filogenética. Esta abordagem taxonômica carece de classificações categóricas, como "reinos" e, em vez disso, tende a usar nomes de grupos hierárquicos com base em sinapomorfias ancestrais aninhadas. No entanto, usar essa abordagem prova ser ainda menos útil para encontrar o termo que você está procurando:

  • Geralmente ~ 6 (5-8) informal supergrupos (às vezes chamados de "supra-reinos") foram reconhecidos com base em pesquisas filogenéticas. É importante ressaltar que 2 desses grupos (isto é, clados) são os Opisthokonts (que incluem fungos e animais) e os Arqueplastídeos (que incluem plantas). Uma vez que animais e fungos compartilham um ancestral comum mais recentemente do que plantas, não é possível "agrupar" plantas e fungos sem incluir animais (e toda uma série de outros organismos).

    Você pode ver uma publicação recente (Burki et al., 2020) discutindo uma organização proposta ainda mais recente para classificar eucariotos que mantém esta distinção filogenética e separação entre animais / fungos e plantas.

Comente sobre o uso de "flora"

Para sua informação, "flora" tem um uso mais amplo além de plantas. "flora" também pode ser usado para fungos (por exemplo, pesquise "flora fúngica" no Google). Na verdade, em microbiologia, "flora" (ou às vezes "microflora") é usado para descrever microorganismos em / em um sistema / hospedeiro, o que incluiria fungos, bactérias, etc. (por exemplo, consulte a flora intestinal).

Não acho que "flora" seja o que você está procurando. Acho que referir-se a "todas as plantas e fungos" como "flora" não é claro e provavelmente não irá transmitir o significado que você pretende sem mais anotações / esclarecimentos.

Outros pensamentos:

Por um momento, considerei se ser séssil seria uma possível característica a ser usada para delinear esses organismos da maneira que você está tentando, uma vez que, por definição, os animais não são sésseis (pelo menos não em todos os estágios de seu ciclo de vida). No entanto, muitos "protistas" também são sésseis e, portanto, tal delineamento não seria exclusivo para plantas e fungos. Além disso, não tenho certeza se todos os fungos são de fato séssil (embora eu não consiga pensar em nenhuma razão para não).

  • A frase "organismos sésseis multicelulares" é provavelmente muito mais exclusiva e abrangente, mas provavelmente não 100% perfeita. (No entanto, no momento em que você estaria considerando essas frases, eu apenas sugeriria ficar com "plantas e fungos": p).

Talvez outra pessoa possa inventar algo, mas eu não conseguia pensar em nenhuma maneira não desatualizada de atingir seu objetivo de cabeça.


Filogenia de animais, plantas e fungos: uma relação surpreendente na filogenia de eucariotos

Animais, plantas e fungos são os três principais grupos multicelulares do domínio Eukaryota. Eucariotos são organismos com células complexas que possuem características como mitocôndrias e núcleos, e apenas o Domínio Eucariotos evoluiu para ter membros que consistem em muitas células (embora alguns eucariotos, como Ameba e Paramecium, são unicelulares).

Muitos fungos são organismos superficialmente semelhantes a plantas. Eles desenvolvem estruturas visíveis que se assemelham a plantas ou partes de plantas. Em um nível microscópico, plantas e fungos têm paredes celulares, uma característica que falta às células metazoárias (animais). O estudo da cladística, entretanto, resulta em uma árvore filogenética na qual os fungos estão mais intimamente relacionados aos animais do que às plantas. Em outras palavras, os animais têm um ancestral comum mais recente com fungos do que com plantas, e os cogumelos em sua salada estão mais intimamente relacionados a você do que à alface.


Habitats

Embora os fungos estejam principalmente associados a ambientes úmidos e frios que fornecem matéria orgânica, eles colonizam uma surpreendente diversidade de habitats, desde água do mar até pele humana e membranas mucosas. Os quitrídeos são encontrados principalmente em ambientes aquáticos. Outros fungos, como Coccidioides immitis, que causa pneumonia quando seus esporos são inalados, prosperam no solo seco e arenoso do sudoeste dos Estados Unidos. Os fungos que parasitam os recifes de coral vivem no oceano. No entanto, a maioria dos membros do Reino Fungi cresce no solo da floresta, onde o ambiente escuro e úmido é rico em detritos em decomposição de plantas e animais. Nesses ambientes, os fungos desempenham um papel importante como decompositores e recicladores, possibilitando que membros de outros reinos recebam nutrientes e vivam.


121 Características dos Fungos

Ao final desta seção, você será capaz de fazer o seguinte:

  • Liste as características dos fungos
  • Descreva a composição do micélio
  • Descreva o modo de nutrição dos fungos
  • Explicar a reprodução sexuada e assexuada em fungos

Embora os humanos usem leveduras e cogumelos desde os tempos pré-históricos, até recentemente, a biologia dos fungos era mal compreendida. Na verdade, até meados do século 20, muitos cientistas classificaram os fungos como plantas! Os fungos, assim como as plantas, são em sua maioria sésseis e aparentemente enraizados no lugar. Eles possuem uma estrutura semelhante a um caule semelhante à das plantas, bem como um micélio fúngico semelhante a uma raiz no solo. Além disso, seu modo de nutrição era mal compreendido. O progresso no campo da biologia fúngica foi o resultado da micologia: o estudo científico dos fungos. Com base em evidências fósseis, os fungos apareceram na era pré-cambriana, cerca de 450 milhões de anos atrás. A análise da biologia molecular do genoma do fungo demonstra que os fungos estão mais intimamente relacionados aos animais do que às plantas. Sob algumas filogenias sistemáticas atuais, eles continuam a ser um grupo polifilético de organismos que compartilham características, em vez de compartilhar um único ancestral comum.

Micologistas são biólogos que estudam fungos. Historicamente, a micologia foi um ramo da microbiologia, e muitos micologistas começam suas carreiras com um diploma em microbiologia. Para se tornar um micologista, um diploma de bacharel em ciências biológicas (de preferência com especialização em microbiologia) e um mestrado em micologia são minimamente necessários. Os micologistas podem se especializar em taxonomia e genômica fúngica, biologia molecular e celular, fitopatologia, biotecnologia ou bioquímica. Alguns microbiologistas médicos se concentram no estudo de doenças infecciosas causadas por fungos, chamadas micoses. Micologistas colaboram com zoólogos e fitopatologistas para identificar e controlar infecções fúngicas difíceis, como a devastadora praga da castanha, o declínio misterioso das populações de sapos em muitas áreas do mundo ou a epidemia mortal chamada síndrome do nariz branco, que está dizimando morcegos no Leste dos Estados Unidos.

As agências governamentais contratam micologistas como cientistas e técnicos de pesquisa para monitorar a saúde das safras, parques nacionais e florestas nacionais. Os micologistas também são empregados no setor privado por empresas que desenvolvem produtos de controle químico e biológico ou novos produtos agrícolas, e por empresas que prestam serviços de controle de doenças. Devido ao papel fundamental desempenhado pelos fungos na fermentação do álcool e na preparação de muitos alimentos importantes, cientistas com um bom conhecimento da fisiologia fúngica trabalham rotineiramente na indústria de tecnologia de alimentos. A enologia, a ciência da vinificação, depende não apenas do conhecimento das variedades de uvas e da composição do solo, mas também de uma sólida compreensão das características das leveduras selvagens que prosperam em diferentes regiões vinícolas. É possível comprar cepas de leveduras isoladas de regiões específicas de cultivo de uvas. O grande químico e microbiologista francês, Louis Pasteur, fez muitas de suas descobertas essenciais trabalhando na humilde levedura de cerveja, descobrindo assim o processo de fermentação.

Estrutura e função celular

Os fungos são eucariotos e, como tais, têm uma organização celular complexa. Como eucariotos, as células fúngicas contêm um núcleo ligado à membrana. O DNA no núcleo é envolvido por proteínas histonas, como é observado em outras células eucarióticas. Alguns tipos de fungos têm estruturas genômicas acessórias comparáveis ​​aos plasmídeos bacterianos (loops de DNA), entretanto, a transferência horizontal de informação genética que ocorre entre uma bactéria e outra raramente ocorre em fungos. As células fúngicas também contêm mitocôndrias e um sistema complexo de membranas internas, incluindo o retículo endoplasmático e o aparelho de Golgi.

Ao contrário das células vegetais, as células fúngicas não possuem cloroplastos ou clorofila. Muitos fungos exibem cores brilhantes provenientes de outros pigmentos celulares, variando do vermelho ao verde e ao preto. O venenoso Amanita muscaria (agaric) é reconhecível por sua tampa vermelha brilhante com manchas brancas ((Figura)). Os pigmentos em fungos estão associados à parede celular e desempenham um papel protetor contra a radiação ultravioleta. Alguns pigmentos fúngicos são tóxicos para os humanos.


Como as células vegetais, as células fúngicas têm uma parede celular espessa. As camadas rígidas das paredes celulares dos fungos contêm polissacarídeos complexos chamados quitina e glucanos. Quitina (N-acetil-D-glucosamina), também encontrado no exoesqueleto de artrópodes, como insetos, confere resistência estrutural às paredes celulares dos fungos. A parede protege a célula da dessecação e de alguns predadores. Os fungos têm membranas plasmáticas semelhantes às de outros eucariotos, exceto que a estrutura é estabilizada por ergosterol: uma molécula de esteróide que substitui o colesterol encontrado nas membranas celulares dos animais. A maioria dos membros do reino Fungi são imóveis. No entanto, os flagelos são produzidos pelos esporos e gametas do Filo primitivo Chytridiomycota.

Crescimento

O corpo vegetativo de um fungo é unicelular ou multicelular talo. Os fungos unicelulares são chamados de leveduras. Fungos multicelulares produzem filamentos hifas (hifa singular). Os fungos dimórficos podem mudar do estado unicelular para o multicelular dependendo das condições ambientais. Saccharomyces cerevisiae (fermento de padeiro) e Candida espécies (os agentes de sapinhos, uma infecção fúngica comum) são exemplos de fungos unicelulares ((Figura)).


A maioria dos fungos são organismos multicelulares. Eles apresentam dois estágios morfológicos distintos: o vegetativo e reprodutivo. O estágio vegetativo consiste em um emaranhado de hifas, enquanto o estágio reprodutivo pode ser mais conspícuo. A massa de hifas é um micélio ((Figura)). Ele pode crescer em uma superfície, no solo ou em material em decomposição, em um líquido ou mesmo em tecido vivo. Embora as hifas individuais devam ser observadas ao microscópio, o micélio de um fungo pode ser muito grande, com algumas espécies sendo realmente "o fungo gigantesco". O gigante Armillaria solidipes (cogumelo do mel) é considerado o maior organismo da Terra, espalhando-se por mais de 2.000 acres de solo subterrâneo no leste do Oregon e estima-se que tenha pelo menos 2.400 anos de idade.


A maioria das hifas fúngicas são divididas em células separadas por paredes finais chamados septos (singular, septo) ((Figura)a, c) Na maioria dos filos de fungos, minúsculos orifícios nos septos permitem o rápido fluxo de nutrientes e pequenas moléculas de uma célula para outra ao longo da hifa. Eles são descritos como septos perfurados. As hifas nas formas de pão (que pertencem ao Filo Zygomycota) não são separadas por septos. Em vez disso, eles são formados por grandes células contendo muitos núcleos (multinucleados), um arranjo descrito como hifas cenocíticas ((Figura)b).


Os fungos prosperam em ambientes úmidos e ligeiramente ácidos, e podem crescer com ou sem luz. Eles variam em suas necessidades de oxigênio. A maioria dos fungos são aeróbios obrigatórios, necessitando de oxigênio para sobreviver. Outras espécies, como os membros do Chytridiomycota que residem no rúmen do gado, são anaeróbios obrigatórios, pois usam apenas respiração anaeróbica porque o oxigênio perturba seu metabolismo ou os mata. As leveduras são intermediárias, sendo anaeróbios facultativos. Isso significa que eles crescem melhor na presença de oxigênio usando respiração aeróbica, mas podem sobreviver usando respiração anaeróbica quando o oxigênio não está disponível. O álcool produzido a partir da fermentação do fermento é utilizado na produção de vinho e cerveja.

Nutrição

Como os animais, os fungos são heterótrofos; usam compostos orgânicos complexos como fonte de carbono, em vez de fixar o dióxido de carbono da atmosfera, como fazem algumas bactérias e a maioria das plantas. Além disso, os fungos não fixam o nitrogênio da atmosfera. Como animais, eles devem obtê-lo de sua dieta. No entanto, ao contrário da maioria dos animais, que ingerem alimentos e os digerem internamente em órgãos especializados, os fungos realizam essas etapas na ordem inversa da digestão que precede a ingestão. Primeiro, exoenzimas são transportados para fora das hifas, onde processam nutrientes no meio ambiente. Então, as moléculas menores produzidas por este digestão externa são absorvidos pela grande área de superfície do micélio. Tal como acontece com as células animais, o polissacarídeo de armazenamento é glicogênio, um polissacarídeo ramificado, em vez de amilopectina, um polissacarídeo menos densamente ramificado e amilose, um polissacarídeo linear, como encontrado em plantas.

Os fungos são principalmente sapróbios (saprófita é um termo equivalente): organismos que derivam nutrientes da matéria orgânica em decomposição. Eles obtêm seus nutrientes de matéria orgânica morta ou em decomposição derivada principalmente de plantas. As exoenzimas fúngicas são capazes de quebrar compostos insolúveis, como a celulose e a lignina da madeira morta, em moléculas de glicose prontamente absorvíveis. O carbono, o nitrogênio e outros elementos são então liberados no meio ambiente. Por causa de suas vias metabólicas variadas, os fungos desempenham um papel ecológico importante e estão sendo investigados como ferramentas potenciais em biorremediação de ecossistemas danificados quimicamente. Por exemplo, algumas espécies de fungos podem ser usadas para decompor o óleo diesel e os hidrocarbonetos aromáticos policíclicos (PAHs). Outras espécies absorvem metais pesados, como cádmio e chumbo.

Alguns fungos são parasitas, infectando plantas ou animais. A fumaça e a doença do olmo holandês afetam as plantas, enquanto o pé de atleta e a candidíase (sapinho) são infecções fúngicas importantes do ponto de vista médico em humanos. Em ambientes pobres em nitrogênio, alguns fungos recorrem à predação de nematóides (pequenas lombrigas não segmentadas). Na verdade, espécies de Arthrobotrys os fungos têm vários mecanismos para capturar os nematóides: Um mecanismo envolve anéis de constrição dentro da rede de hifas. Os anéis incham quando tocam o nematóide, segurando-o com força. O fungo então penetra no tecido do verme estendendo hifas especializadas chamadas haustórios. Muitos fungos parasitas possuem haustórios, pois essas estruturas penetram nos tecidos do hospedeiro, liberam enzimas digestivas dentro do corpo do hospedeiro e absorvem os nutrientes digeridos.

Reprodução

Os fungos se reproduzem sexualmente e / ou assexuadamente. Os fungos perfeitos se reproduzem sexualmente e assexuadamente, enquanto os chamados fungos imperfeitos se reproduzem apenas assexuadamente (por mitose).

Na reprodução sexual e assexuada, os fungos produzem esporos que se dispersam do organismo parental, flutuando no vento ou pegando carona em um animal. Os esporos de fungos são menores e mais leves do que as sementes das plantas. Por exemplo, o cogumelo puffball gigante se abre e libera trilhões de esporos em uma nuvem enorme do que parece ser uma poeira finamente particulada. O grande número de esporos liberados aumenta a probabilidade de pousar em um ambiente que suporte o crescimento ((Figura)).


Reprodução Assexuada

Os fungos se reproduzem assexuadamente por fragmentação, brotamento, ou produzindo esporos. Fragmentos de hifas podem criar novas colônias. As células somáticas na levedura formam botões. Durante o brotamento (um tipo expandido de citocinese), uma protuberância se forma na lateral da célula, o núcleo se divide mitoticamente e o botão acaba se desprendendo da célula-mãe ((Figura)).


O modo mais comum de reprodução assexuada é através da formação de esporos assexuados, que são produzidos por um único indivíduo talo (por mitose) e são geneticamente idênticos ao talo-mãe ((Figura)). Os esporos permitem que os fungos expandam sua distribuição e colonizem novos ambientes. Eles podem ser liberados do talo parental fora ou dentro de um saco reprodutivo especial denominado esporângio.


Existem muitos tipos de esporos assexuados. Os conidiósporos são esporos unicelulares ou multicelulares que são liberados diretamente da ponta ou do lado da hifa. Outros esporos assexuados se originam na fragmentação de uma hifa para formar células únicas que são liberadas como esporos, algumas delas têm uma parede espessa em torno do fragmento. Outros, ainda, brotam da célula-mãe vegetativa. Em contraste com os conidiósporos, os esporangiósporos são produzidos diretamente de um esporângio ((Figura)).


Reprodução Sexual

A reprodução sexual introduz variação genética em uma população de fungos. Em fungos, reprodução sexual freqüentemente ocorre em resposta a condições ambientais adversas. Durante a reprodução sexual, dois tipos de acasalamento são produzidos. Quando os dois tipos de acasalamento estão presentes no mesmo micélio, ele é denominado homotálico ou autofértil. Os micélios heterotálicos requerem dois micélios diferentes, mas compatíveis, para se reproduzirem sexualmente.

Embora haja muitas variações na reprodução sexuada de fungos, todas incluem os três estágios a seguir ((Figura)). Primeiro, durante a plasmogamia (literalmente, “casamento ou união de citoplasma”), duas células haplóides se fundem, levando a um estágio dicariótico em que dois núcleos haplóides coexistem em uma única célula. Durante a cariogamia (“casamento nuclear”), os núcleos haplóides se fundem para formar um núcleo zigoto diplóide. Finalmente, a meiose ocorre nos órgãos gametângios (singular, gametângio), nos quais são gerados gametas de diferentes tipos de acasalamento. Nesta fase, os esporos são disseminados no meio ambiente.

Reveja as características dos fungos, visitando este site interativo de Wisconsin-online.

Resumo da Seção

Os fungos são organismos eucarióticos que apareceram na terra há mais de 450 milhões de anos, mas claramente têm uma história evolutiva muito maior. Eles são heterótrofos e não contêm pigmentos fotossintéticos, como clorofila, nem organelas, como cloroplastos. Como os fungos se alimentam de matéria em decomposição e morta, eles são chamados de sapróbios. Os fungos são decompositores importantes que liberam elementos essenciais no meio ambiente. Enzimas externas chamadas exoenzimas digerem nutrientes que são absorvidos pelo corpo do fungo, o que é chamado de talo. Uma espessa parede celular feita de quitina envolve a célula. Os fungos podem ser unicelulares como leveduras ou desenvolver uma rede de filamentos chamada micélio, que geralmente é descrito como bolor. A maioria das espécies se multiplica por ciclos reprodutivos assexuados e sexuais e exibe uma alternância de gerações. Em um grupo de fungos, nenhum ciclo sexual foi identificado. A reprodução sexual envolve plasmogamia (fusão do citoplasma), seguida de cariogamia (fusão de núcleos). Seguindo esses processos, a meiose gera esporos haplóides.


SISTEMA CINCO REINO

Nesta lição, discutiremos a classificação de cinco reinos.

A classificação de cinco reinos é proposta por R.H.Whittaker em 1969. os reinos definidos por ele foram nomeados Monera, Protista, Fungi, Plantae e Animalia.

Nesta lição, mostramos uma breve introdução a esses reinos. Para obter mais informações sobre o reino, visite uma lição específica sobre esse reino.

Os principais critérios usados ​​para esta classificação são estrutura celular, organização do talo, modo de nutrientes, reprodução e relação filogenética. Além dessas características principais, ele também deu importância aos personagens de papéis ecológicos e modo de reprodução.

Critérios principais nos quais a classificação de cinco reinos é baseada

CritérioReino
MoneraProtistaPlantaeFungiAnimalia
Tipo de célulaProcariotaEucarióticaEucarióticaEucarióticaEucariótica
Organização celularUnicelularUnicelularMulticelularMulticelularMulticelular
Modo de nutriçãoVariablePhtotrophic / heterotrophic / chaemoautotrophicFototrófico / heterotróficoAutotrófico (fotossíntese)Heterotrófico (absorção)Heterotrófico (ingestão)
ReproduçãoAssexuadoAssexuado ou sexual sem estágio embrionárioAssexuado ou sexual com estágio embrionárioAssexuado ou sexual com esporoSexual com estágio embrionário
Papel ecológicoVariávelVariávelProdutorDecompositorConsumidor

Ele também tentou estabelecer uma relação filogênica entre vários grupos de diferentes reinos.

Segundo ele, as primeiras formas vivas (progenotas) produziram organismos procarióticos ou monerans. Monera deu origem a protistas provavelmente através da associação de vários tipos de monerans primitivos e avançados. Protistas em andorinha-do-mar deram origem a fungos, plantas e animais.

As características e membros de cada um dos cinco reinos são brevemente discutidos:


Uma palavra que inclui plantas e fungos, mas não animais - Biologia

Organismos e localidade apresentados (p. 127):
Caranguejos-aranha e lesmas marinhas da Baía de Sagami, Japão

I. Classificação
a) O Sistema dos Cinco Reinos de Whittaker
(Nota: embora ainda muito popular com livros didáticos
autores, e defendida por alguns biólogos como
como Lynn Margulis, esta é realmente uma análise de
vida por categorias funcionais e nutricionais.
Uma visão alternativa, proposta por Carl Woese,
está ganhando popularidade porque é mais preciso
reflete as relações históricas reais das formas de vida:
Esta visão é chamada de Sistema dos Três Domínios da Vida -
Bactérias, Archaea, Eukarya)
termos: reinos, Plantae = plantas vasculares, Fungos,
Animalia = Metazoa ou animais multicelulares,
Protista = agrupamento arbitrário de organismos cujo
as células têm um núcleo (ou seja, eucariotos), mas excluindo
plantas multicelulares, fungos e animais,
não deve ser confundido com procariontes (ou Monera)
= agrupamento arbitrário de todos os organismos, exceto aqueles
cujas células têm um núcleo (eucariotos)
Nota: A maioria dos taxonomistas atuais tenta apenas nomear formalmente
agrupamentos que são claramente monofiléticos. Em contraste, muitos
nomes tradicionais, incluindo "procariontes", "protistas",
"invertebrados" e "agnatanos" são agrupamentos parafiléticos
definido por características que faltam, como um núcleo celular, multicelularidade,
uma espinha dorsal ou uma mandíbula, respectivamente. Outra maneira de tentar esculpir
aumentar a diversidade biótica em grupos monofiléticos é aumentar o
número de reinos, por exemplo, com a abordagem de 10 reinos.

RQ 6.1: Compare como a vida é classificada no Sistema dos Cinco Reinos
vs. o sistema de três domínios. Qual reino está quebrado
em domínios separados e quais reinos são combinados em
um único domínio?

b) Os nomes dos organismos
termos: filo, classe, ordem, família, gênero, espécie
(essas são "classificações" usadas em uma "classificação" hierárquica
taxonomia - também é possível classificar todas as formas de vida
sem eles em uma taxonomia hierárquica "não classificada")
táxon (o plural é táxons), taxonomista, sistemata,
taxonomia (= classificação da vida), sistemática (taxonomia
+ história evolutiva da vida, inclui taxonomia),
nome binomial científico, por exemplo, Glyptocephalus zachirus
abreviado G. zachirus. O gênero da nota é capitalizado,
espécie não é, o nome científico está sempre em itálico ou
sublinhado, o nome comum não é: peixe chato da costa oeste
mas observe que este nome comum se refere a várias espécies
de outras espécies de "peixes chatos", e mesmo que uma se refira a
um nome comum mais específico, como "Rex sole",
isso tem problemas porque é conhecido por diferentes
nomes comuns em outros lugares. Veja a Fig. 6.4 para mais
exemplos de um nome comum que varia com a localização.
A definição de uma espécie também é problemática. o
mais popular (mas não necessariamente o melhor) é o
conceito biológico de espécie, proposto por Ernst Mayr.
Este conceito de espécie geralmente funciona melhor para
populações vivas cujos membros se envolvem em atividades sexuais
cruzamento, e menos bem para fósseis ou "espécies"
que se reproduzem sem fertilização cruzada sexual.

RQ 6.2: Por que um nome binomial científico às vezes é mais
mais preciso do que um nome comum?

II. Bactérias (inclui cianobactérias)
termos (Box 6.1, p. 134): metro (m), milímetro (mm),
micrômetro (& microm), nanômetro (nm) (1 m = 1000 mm,
1 mm = 1000 & microm, 1 & microm = 1000 nm)
termos (p. 135): fotossíntese anaeróbia ou aeróbia

RQ 6.3: Qual o tamanho dos organismos "microbianos" típicos?

a) Cianobactérias - Antigos Transformadores da Terra
termos: anteriormente conhecido como "algas verde-azuladas", mas
cianobactérias são bactérias que se envolvem em atividades aeróbicas
fotossíntese, estromatólitos são os fossilizados
lodo secretado por cianobactérias antigas, como ainda
sendo produzido em algumas baías salgadas, como
Sharks Bay, Austrália

RQ 6.4: Com base em abundantes fósseis de estromatólitos antigos,
é aparente que as cianobactérias tiveram uma função extremamente importante
papel na transformação da Terra como um habitat para bilhões de vida
de anos atrás. O que eles fizeram de tão importante?

b) (Outras) Bactérias - Essenciais para o Fechamento dos Ciclos Ecológicos
Nota: As bactérias se reproduzem muito rapidamente, então podem esgotar rapidamente
disponível O2 dissolvido na água do mar (ver notas do Capítulo 3).
termos: materiais refratários (são indigestíveis para todos, exceto
bactérias, que os tornam disponíveis para outros organismos)

c) Archaea (nenhuma seção do livro, mas deveria haver
estão apenas começando a caracterizar os diversos organismos
incluídos neste domínio da vida - incluindo alguns que vivem
em temperaturas próximas de ebulição no fundo do mar - respiradouros quentes)

RQ 6.5: Dê três exemplos de onde se pode encontrar um
membro do domínio da vida mais recentemente reconhecido,
Archaea?

III. Protistas (ou seja, membros de Eukarya que não são plantas,
fungos ou animais)

RQ 6.6: Que problema os auxosporos ajudam a resolver para as diatomáceas?

2) Os dinoflagelados são distinguidos pela celulose, flagelos,
e diversidade
termos: blindado (com placas de celulose) vs. não blindado, flagelos,
bioluminescência, marés vermelhas, marés vermelhas tóxicas, envenenamento paralítico de crustáceos,
ciguatera (importante preocupação no Caribe e em outras partes dos trópicos),
zooxantelas (células simbióticas em corais e anêmonas), recife de coral
branqueamento

RQ 6.7: Como zooxantelas e sua anêmona, coral (ou outro animal)
os anfitriões se beneficiam mutuamente de sua associação?

3) Os microflagelados são minúsculos, diversos, abundantes e dominantes?
termos: microflagelados (inclui coccolitóforos com cocólito
placas, também flagelados verdes, como Chlamydomonas)

RQ 6.8: Se os microflagelados às vezes são ainda mais abundantes do que
diatomáceas e dinoflagelados, por que isso não foi geralmente apreciado
até recentemente?

b) Protistas não fotossintéticos
termos: forames, ciliados, cílios, radiolários

a) Algas marinhas, algas e outras algas
termos: gametófito, esporófito, gametas, meiose, esporos, zigoto

RQ 6.9: Por que as algas marrons são marrons? Quais são algumas maneiras em que eles são
importante?

2) As algas verdes se assemelham às plantas terrestres de várias maneiras
termos: clorofila a, amido, clorófitas (algas verdes + plantas terrestres)

RQ 6.10: As principais evidências sugerem que as plantas terrestres (vasculares) compartilham um
ancestral comum com algas verdes, em relação a outras algas?

b) Plantas terrestres no mar
termos: tecido vascular, raízes

RQ 6.11: Qual é pelo menos uma vantagem que as plantas terrestres têm, relativa
às algas, para a vida no mar? Por que, então, as plantas terrestres não são mais
comum no mar?

1) Gramíneas e plantas semelhantes a gramíneas são proeminentes em pântanos salgados
e prados submersos
termos: plantas do pântano salgado (Spartina), enguia, rizomas, ervas marinhas


Existem basicamente três tipos de biologia

  1. Zoologia
  2. Botânica e
  3. Microbiologia

Além dos acima, existem muitos outros ramos da biologia. Os ramos ou tipos mencionáveis ​​entre eles são fornecidos abaixo:

  • Taxonomia
  • Anatomia
  • Morfologia
  • Citologia
  • Histologia
  • Biologia molecular
  • Biologia Celular
  • Embriologia
  • Fisiologia
  • Genética
  • Ecologia
  • Evolução / Biologia Evolutiva
  • Eugenia
  • Exobiologia
  • Paleontologia
  • Virologia
  • Imunologia
  • Biologia Marinha
  • Micologia
  • Fotobiologia
  • Parasitologia
  • Biofísica
  • Bioquímica
  • Biotecnologia
  • Biologia Estrutural
  • Radiobiologia
  • Biologia Teórica

1. Zoologia:

A zoologia estuda cientificamente vários aspectos, como estrutura, comportamento, classificação, distribuição e fisiologia dos animais. Aristóteles é chamado de & ldquofather of Zoology & rdquo. Ciência animal é outro nome da zoologia.

A zoologia é descritiva e também analítica. É uma ciência básica e, ao mesmo tempo, é uma ciência aplicada. Um zoólogo básico está preocupado apenas com o conhecimento dos animais, mas não com a aplicação do conhecimento adquirido. Um zoólogo aplicado se preocupa com as informações que ajudarão diretamente os animais e os humanos (por exemplo, medicina).

2. Botânica:

A botânica lida com o estudo científico de vários aspectos das plantas, como sua estrutura, fisiologia, ecologia e genética. Theophrastus é chamado de & ldquofather of Botany & rdquo. Ciência vegetal é outro nome da botânica.

As pesquisas em botânica podem ser divididas em diferentes categorias, dependendo de qual subcategoria da biologia a pesquisa se baseia. Por exemplo, os botânicos podem estudar genética vegetal, anatomia vegetal, ecologia, citologia, biofísica, bioquímica, fisiologia, taxonomia vegetal, biologia molecular, microbiologia e paleobotânica. Os botânicos também podem estudar um determinado tipo de planta, como briologia (estudo de musgosli), liquenologia (estudo de líquenes), micologia (estudo de fungos), pteridologia (estudo de samambaias) e ficologia (estudo de algas). A botânica aplicada inclui agronomia, silvicultura, ciência alimentar, horticultura (produção de plantas e culturas ornamentais), melhoramento de plantas, gestão de recursos naturais e patologia vegetal.

3. Microbiologia:

A microbiologia estuda vários aspectos dos organismos microscópicos. Esses organismos microscópicos podem ser acelulares, multicelulares ou unicelulares. Leeuwenhoek é chamado de & ldquofather of Microbiology & rdquo.

Outros ramos ou tipos de biologia

Taxonomia: A taxonomia discute a nomenclatura, identificação e classificação dos organismos vivos.

Anatomia: A anatomia estuda a estrutura interna dos organismos que podem ser vistos com os olhos após a dissecção.

Morfologia: A morfologia trata do estudo do tamanho, formas externas, cor, forma, posição relativa e estrutura dos diferentes órgãos vivos dos seres vivos.

Citologia: A citologia enfoca a estrutura e a forma das células e também as atividades do núcleo e organelas adicionais.

Histologia: A histologia estuda a estrutura e a organização dos tecidos vistos por um microscópio óptico.

Biologia molecular: A biologia molecular lida com o estudo da estrutura, natureza, função, organização físico-química, interação e trabalho de síntese de biomoléculas. Essas biomoléculas desencadeiam e comandam diferentes funções do protoplasma.

Biologia Celular: A biologia celular discute os aspectos organizacionais, morfológicos, fisiológicos, bioquímicos, patológicos, genéticos, evolutivos e de desenvolvimento da célula e seus elementos.

Embriologia: A embriologia estuda a fertilização, divisão, diferenciação e crescimento do zigoto em um embrião. Em outras palavras, discute o desenvolvimento inicial de organismos vivos antes de atingir o tamanho e a estrutura da prole.

Fisiologia: A fisiologia se concentra nas funções e processos normais dos seres vivos e de suas partes do corpo.

Genética: Este tipo ou ramo da biologia estuda genes, hereditariedade e variação genética em organismos vivos. Hereditariedade discute a expressão e transmissão de qualidades de pais para filhos ou descendentes.

Ecologia: A ecologia discute as relações dos organismos vivos entre si e com o meio ambiente.

Evolução / Biologia Evolutiva: Evolution or evolutionary biology discusses life&rsquos origin and new forms of the organism from the previous types by modifications including adaptations and changes.

Eugenics: Eugenics is a form of biology dealing with aspects related to impairment or improvement of the race, particularly that of humans.

Exobiology: Exobiology scientifically enquires life&rsquos possibility in the outer space.

Paleontology: Paleontology studies the impressions and remains of past organisms available in the rocks of various ages. More precisely, it studies fossils.

Virology: Virology is the type or branch of biology that studies viruses and their every aspect.

Immunology: Immunology is a branch of medicine and biology which deals with immunity.

Marine Biology: Marine biology scientifically studies the organisms living in the ocean. It studies the ocean ecosystems.

Mycology: Mycology scientifically focuses on fungi.

Photobiology: Photobiology scientifically discusses the interactions of living organisms and light.

Parasitology: Parasitology is the branch or type of medicine or biology which is focused on parasitic organisms.

Biophysics: Biophysics applies the laws of physics to the learning of biological phenomena or living organisms.

Bioquímica: Biochemistry applies chemistry to the learning of living organisms. It is the branch or type of biology that deals with the physicochemical and chemical processes occurring within living beings.

Biotechnology: Biotechnology is the application of biological processes e.g. micro-organisms&rsquo genetic manipulation for the production of hormones, antibiotics, etc.

Structural Biology: Structural biology is a type or branch of molecular biophysics, biochemistry, and biology. It discusses biological macromolecules&rsquo molecular structure.

Radiobiology: Radiobiology studies ionizing radiation&rsquos action on living organisms.

Theoretical Biology: Theoretical biology is also known as mathematical biology. It is a field of scientific research that uses a range of mathematical applications in medicine, biology, and biotechnology.


Difference Between Fungi and Plants

Fungi vs Plants
Both fungi and plants were considered to be of the same group of living things till recently. However, they are now categorized under different groups. Plants and fungi make up two of the five groups that comprise the kingdom of living things on earth. The identification of these differences between the two is a comparatively recent phenomenon. It was only possible when the microscope was discovered in 1700.

The most important difference between plants and fungi is that plants can make their own food, while fungi cannot. As you know, plants use carbon dioxide, sunlight and water to create their own food. This process is known as photosynthesis. Fungi, on the other hand are incapable of making their own food. They usually eat off their host as parasites or decompose matter and take it as their food. This is the most important difference you need to remember about plants and fungi.

This brings us to the second difference. Fungi do not possess chlorophyll, that green substance that gives plants their beautiful green color and helps in photosynthesis.

The next difference between plants and fungi relate to their method of reproduction. As we all know, reproduction is one of the main things that differentiate a living thing from a nonliving one. Plants reproduce through pollen and seeds. However, fungi reproduce through numerous spores. They do not have pollen, fruit or seeds.

Another important difference between them relates to the way they are attached. All plants have a system of roots that attach the plant to the ground and help it in soaking moisture. However, if you were to look at fungi very closely, you would find them spreading a sort of net of filaments on the surface of the plant or whatever they are attaching to. This helps them attach to their host. There are no complex root systems, stems or leaves in fungi.

Plants and fungi also have different roles to play in the whole ecological system. Plants are predominantly considered to be producers, because they produce food. They create biomass through the process of photosynthesis. The role of fungi is just the opposite. They are the decomposers who break down biomass. Imagine what this earth would be without these busy cleaners- just a large dustbin that was never cleaned out!

Finally, the cell walls on a plant are lined with cellulose, while those of the fungi are made of chitin- a material that is also found on the exoskeletons of crabs, lobsters and insects.

1. Plants have chlorophyll and can produce their own food, fungi live off others, and they cannot produce their own food.
2. Plants reproduce through seeds and pollen, fungi reproduce through spores
3. Plants have roots, stem sand leaves. Fungi only have filaments which attach to the host.
4. Plants are the producers in the eco system, fungi are the decomposers.
5. The cell walls on plants are made of cellulose, while those of fungi are made of chitin.


Deuteromycetes

Commonly called molds, Deuteromycetes are "second-class" fungi carrying no sexual state in their life cycle, reproduced only by producing spores via mitosis. This state of asexual fungi is called Anamorph. In other words, this imperfect fungi class are in artificial fungi, of which there are approx fifteen thousand species because of the asexual reproductive mechanism.

Deuteromycetes is also known as the Deuteromycota, Deuteromycotina, fungi imperfecti, and mitosporic fungi.

Reproduction in Deuteromycetes

The reproduction phase in Deuteromycetes takes place in different forms. Spores or Conidia is one such form produced directly on the mycelium or on the structure of specialized mycelial cells called Conidiophores. Some forms of these Deuteromycetes don't produce spores. Moreover, non sporulating fungi are able to propagate themselves by fragmenting the hyphae or by producing a mass of hyphae called a sclerotium. Sclerotia can be microscopic in size or as large as several millimetres in diameter.

Characteristics of Deuteromycetes

Deuteromycetes fungi carry some silent features that make them worth studying.

Deuteromycetes occur as saprophytes on a wide range of substrates, but a large number of these fungi are parasites on plants and animals. This causes a variety of diseases. Leaf- spots, blights, blotch, wilts, rots, anthracnose, etc. are the important diseases of plants, while diseases like meningitis, candidiasis, skin diseases, nail diseases, and others are caused in animals.

The mycelium is made up of profusely branched and septate hyphae posing multinucleate cells and simple pore septa.

The hyphae may be intracellular and their cell wall chiefly contains chitin-glucan.

Deuteromycetes reproduces only asexually. This method of asexual reproduction takes place by hyphal fragments, budding, arthrospores (flat-ended asexual spores formed by the breaking up of cells from the hypha), chlamydospores (thick-walled modified cells functioning as resting spores), and others.

The cell of conidiophores producing conidia is called a conidiogenous cell and is produced either at the tip or side of the conidiogenous cell either single or in chains.

The conidiophores are either free or aggregated to form specialized structures like Synnemata and Sporodochia. When they are large, the conidiophores are formed in specialized fruiting layers which are present within the specialized fruiting bodies called Conidiomata.

There is a low sexual reproduction, but the parasexual cycle generally operates in their life to fulfil sexuality requirements.

Deuteromycetes Fungi as Pathogens

There are thousands of Deuteromycetes species that are pathogenic to plants and plant parts. Many of these are responsible for the degradation of foods which includes fruits and vegetables. All Deuteromycetes, like other types of fungi, are Heterotrophic and need to attach to an organic substrate. All major food products are the best substrates for fungi because, within a short period of time, the fungi will consume and destroy these fruits.

There are some fungi that are eligible to produce toxic chemicals harmful to those who like to eat rotting food. One such is the aflatoxin, produced by the fungus Aspergillus flavus, and are majorly found on peanuts.

Deuteromycetes Classification

The Deuteromycetes is an artificial grouping in which the phylogenetic relationships among taxa are mostly unknown or not apparent. This classification comes under the mitotic states of meiotic groups such as basidiomycetes and especially the Ascomycetes. A small number of taxa has been correlated with meiotic states but the majority hasn't.

There are different formal and informal names used in the past for groups of mitotic fungi. The most common is Deuteromycotina, Deuteromycetes, Fungi Imperfecti, asexual fungi, conidial fungi, and anamorphic fungi.


Top Biology Questions and Answers – Learn the Basics of Biology Part 4 (76-100)

76) What discovery formed the basis of agriculture?

Answer: Seeds are the source of replenishment of plants.

77) Where did the multicellular plant life originate?

Answer: In the underwater surfaces of seashores.

78) One of the major components of the cell wall of most fungi is

(a) Chitin (b) Peptidoglycan (c) Cellulose (d) Hemicellulose

79) Which is the largest algae? To which group does it belong?

Answer: Macrocystis pyrifera. It belongs to Phaeophyta or brown algae.

80) What is the major role of reproduction in nature?

Answer: Perpetuation of the race.

Answer: Effect of pollen on endosperm.

82) Which one of the following statements is wrong?

(a) Cyanobacteria are also called blue-green algae (b) Golden algae are also called desmids (c) Eubacteria are also called false bacteria (d) Phycomycetes are also called algal fungi

Answer: Kelps are large seaweeds.

84) What is the common name of Agaricus?

85) Write few examples of Kelps:

Answer: Laminaria, Nereocystis, Macrocystis.

86) Chrysophytes, Euglenoids, Dinoflagellates and Slime moulds are included in the kingdom

(a) Monera (b) Protista (c) Fungi (d) Animalia Chapter 3: Plant Kingdom

87) Give two examples of epizoic green algae:

Answer: Trichophilus on sloth, Characium on Crustacean.

88) What is the name of the fruit body of polyporus?

89) Give an example of two common ferns:

Answer: Adiantum, Dryopteris.

90) Which one of the following shows isogamy with non-flagellated gametes?

(a) Sargassum (b) Ectocarpus (c) Ulothrix (d) Spirogyra

91) What is a walking fern?

Answer: It is a fern where leaf tips develop into new plants if they happen to touch the ground.

Answer: The pinnately compound leaves of fern are called fronds.

Answer: It is a fern in which stem is a aerial.

94) Which one of the following is wrong about Chara?

(a) Upper oogonium and lower round antheridium. (b) Globule and nucule present on the same plant. (c) Upper antheridium and lower oogonium. (d) Globule is a male reproductive structure.

95) Write an example of a walking fern:

Answer: The study of grasses is called Agrostology.

97) Write two examples of a tree fern:

98) Which of the following is responsible for peat formation?

(a) Marchanita (b) Riccia (c) Funaria (d) Sphagnum

99) Write an example of a cycads:

100) Plants that grow in water are called hydrophytes. What name is given to plants that grow in desert conditions?


Assista o vídeo: Jak Odróżnić grzyba Kanię od Muchomora Sromotnikowego odmiana cytrynowa GRZYBY 2018 (Janeiro 2022).