Em formação

Identificação da espécie de cogumelo Puffball?


Encontrei este cogumelo hoje. É um tipo de cogumelo puffball e acho que puffball puffball, mas espero que alguém possa confirmar isso / apontar-me outras espécies prováveis.

Foi no centro-leste da Suécia (Uppsala) em uma floresta de pinheiros e bétulas. O outono foi bastante seco, por isso a estação pode atrasar um pouco. Eles estavam em grupos de 2 a 5 cogumelos, eles têm cerca de 1 a 4 cm de largura e o caule é bastante gordo, além de ter cerca de 1 a 3 cm de comprimento. Eles são brancos no meio.


Dado o que você disse nos comentários, e quão mais comuns eles são, vou com minha primeira reação instintiva de perlatum de Lycoperdon. A grande revelação para mim foi que você disse que havia um bom gosto. L. Perlatum tem um sabor rico de nozes (minha esposa as cultiva), mas Handkea excipuliformis (bolinhos de pilão) não tem muito sabor, se houver. Eles são notavelmente insossos. H. excipuliformis pode assumir o sabor de qualquer coisa com que você os cozinhe, então se você cozinhou em óleo de nozes ou com nozes, então você teria dado o sabor dessa forma.

Não que eu apoie o gosto como principal meio de identificação ... Neste caso, a maioria dos puffballs são comestíveis, então você estava em uma situação de baixo risco. Só não quero iniciar uma onda de IDs de fungos que incluam informações de sabor!


6 de outubro de 2011

É uma alegria encontrar esses cogumelos espetaculares. Caçar ativamente por eles pode ser uma perda de tempo, pois eles são excêntricos em quando e onde crescem. Embora possam ocorrer nos mesmos locais ano após ano, isso é absolutamente certo. A melhor estratégia é ficar de olho nas sebes e bermas enquanto dirige e torcer para ter sorte! Você só precisa encontrar um para um banquete & # 8211 eles podem ser fatiados em fatias grossas e fritos como bifes com bacon e alho ou fazer um excelente cremoso (marshmallow salgado) além de risotos de cogumelo se cortados em cubos. Minha receita favorita é esvaziar os pequeninos, rechear com rins apimentados, embrulhar com bacon e assar inteiros.

Puffballs comum, toco e prado

  • Comestibilidade & # 8211 2/5 & # 8211 Coma apenas se for branco & # 8211 descarte se estiver amarelado ou pulverulento.
  • Identificação & # 8211 3/5 & # 8211 veja abaixo
  • Distribuição & # 8211 4/5 (coto / comum) & # 8211 2/5 (prado)
  • Temporada & # 8211 junho & # 8211 novembro
  • Habitat & # 8211 veja abaixo

Grandes aglomerados de puffballs menores (Lycoperdon sp) são bastante comuns e comestíveis, embora não sejam tão saborosos quanto os puffballs gigantes e necessitem de ser descascados antes do uso. Embora bastante distintos, os novatos muitas vezes confundem agarics não abertos e (mais perigosamente) amanitas, com bolinhos. As três pequenas imagens abaixo mostram claramente como um agárico-mosca emerge de seu véu universal semelhante a uma bola de puffball. Se você não tiver & # 8217t certeza, corte-os ao meio para garantir que não haja nada além de & # 8216puff & # 8217 no meio & # 8211 e nunca mastigue um palpite!

Mosca agaric em desenvolvimento a partir de véu universal

Outra armadilha de identificação é confundi-los com bolas de terra (esclerodermiapp) As bolas de terra tendem a ser mais escuras e muito mais sólidas. Todas as bolas de terra têm interiores escuros e densos quando cortadas. Em vez de estourar seus esporos maduros como bolinhos, os earthballs se dividem e soltam seus esporos onde estão.

Puffball comum (lycoperdon perlatum)

Stump puffball (lycoperdon pyriforme). Cresce em grandes aglomerados em troncos de árvores. Verrugas mais finas, mais marrons e mais em forma de pêra do que o puffball comum.

O & # 8216cup & # 8217 restos de um puffball do prado (calvatia utriformis) & # 8211 que crescem maiores do que os puffballs comuns, mas não tão grandes quanto os puffballs gigantes! (até 12cm).

CUIDADO! Depois de pegar o bug da caça ao puffball, você se encontrará regularmente se divertindo com bolas de futebol, carros alegóricos e objetos aleatórios pálidos e vagamente esféricos em campos e sebes.

Os puffballs gigantes são notavelmente fecundos. Estima-se que um pode produzir 7 TRILHÕES de esporos. Nem todos eles são viáveis ​​e a grande maioria pousa em terrenos inadequados, mas isso não é motivo para não chutar suas cascas fumegantes de esporos pelo seu jardim na esperança de montar um viveiro!

Páginas relacionadas:

  • Guia de Fungos Selvagens Comestíveis
  • Na temporada agora
  • Introdução à Fungi Foraging
  • Aprenda a forragear com um especialista

8 comentários

Tenho algumas fotos de um puffball do tamanho de uma bola de softball que gostaria de ajudar a identificar. Como posso postar / enviar uma foto por e-mail?
De perto de Brady, Texas

Oi Steve, claro, você pode postar em minhas páginas do Twitter ou FB.

Na minha experiência, de longe o melhor lugar para procurar bolinhas gigantes é no meio de manchas de urtiga. Doloroso, mas eles obviamente gostam do solo rico sob as urtigas, e ninguém mais será tolo o suficiente para pegá-los primeiro.

Na minha experiência, de longe o melhor lugar para procurar bolinhas gigantes é no meio de manchas de urtiga. Doloroso, mas eles obviamente gostam do solo rico sob as urtigas, e ninguém mais será tolo o suficiente para pegá-los primeiro.

Dito isso, as urtigas - se você coletá-las com luvas e souber como desarmá-las - estão repletas de nutrientes e supostamente têm gosto do próprio verde da primavera:

Encontramos três puff gigantes e eu fiz uma base de pizza, estava uma delícia.


Identificação da espécie de cogumelo Puffball? - Biologia

O termo "puffball", como o estou usando aqui, não é nada científico. Quero dizer mais ou menos qualquer cogumelo que se pareça com uma bola quando maduro. Normalmente, o interior de um puffball é composto de carne produtora de esporos que se transforma em pó de esporos à medida que o cogumelo amadurece. Quando o puffball amadurece, ele se abre ou uma perfuração se desenvolve na superfície da bola, através da qual os esporos escapam & mdash quando as gotas de chuva caem no puffball, por meio de correntes de ar ou por algum outro meio.

Puffballs variam amplamente em tamanho e aparência - desde espécies minúsculas que crescem em grupos na madeira, até grandes espécies terrestres que crescem em anéis de fadas em prados. Algumas espécies, como Calvatia gigantea, são enormes, atingindo diâmetros de 50 cm! Estou incluindo as "estrelas da terra" com os puffballs, pois consistem, na maturidade, em um puffball sentado em cima de um arranjo em forma de estrela de braços carnudos & mdashas, ​​bem como os chamados "puffballs espreitados", que consistem em uma caixa de esporo parecida com uma bola que fica no topo de uma haste.

Quando cortados abertos, os puffballs contêm apenas carne e mdashor, se tiverem amadurecido, pó de esporos. Isso os separa dos botões de alguns cogumelos guelados que têm véus universais e podem ter a aparência de bolinhos, uma vez que esses cogumelos apresentam o futuro cogumelo em seção transversal. Alguns fungos viscosos também podem ter a aparência de bolinhos, mas, quando cortados, são preenchidos com um material pegajoso e gelatinoso. Os "ovos" Stinkhorn também são gelatinosos por dentro e exibem o futuro stinkhorn quando cortados abertos.

Taxonomicamente, o termo "puffballs" é incoerente, uma vez que são tão diversos e vêm de muitas famílias e gêneros diferentes (até filos diferentes!). Muitos pertencem à ordem do cogumelo guelado (muitos na família Lycoperdaceae), enquanto outros estão mais intimamente relacionados aos boletes, alguns estão relacionados aos chifres fedorentos.

Se o seu puffball está crescendo no subsolo ou parcialmente no subsolo, pode muito bem ser uma trufa ou uma trufa falsa. Ainda não tratei desses cogumelos em MushroomExpert.Com, além de algumas páginas de espécies (consulte Tuber lyonii e Zelleromyces cinnabarinus para exemplos).

Atkinson, G. F. (1903). Uma nova espécie de Calostoma. The Journal of Mycology 9: 14 & ndash17.

Baseia, I. G. (2003). Contribuição ao estudo do gênero Calvatia (Lycoperdaceae) no Brasil. Mycotaxon 88: 107 e ndash112.

Baseia, I. G. (2005). Algumas notas sobre os gêneros Bovista e Lycoperdon (Lycoperdaceae) no Brasil. Mycotaxon 91: 81 e ndash86.

Baseia, I.G., B. D. B. Silva, A.G. Leite & L.C. Maia (2007). O g & # 234nero Calostoma (Boletales, Agaricomycetidae) em & # 225reas de cerrado e semi - & # 225rido no Brasil. Acta Botanica Brasilica 21: 277 e ndash280.

Bates, S. T. (2004). Membros do Arizona das Geastraceae e Lycoperdaceae (Basidiomycotina, Fungi). Dissertação de mestrado, Arizona State University.

Burnap, C. E. (1897). Contribuições do laboratório de criptografia da Universidade de Harvard. XXXVIII. Notas sobre o gênero Calostoma. Botanical Gazette 23: 180 & ndash192.

Cairney, J. W. G. (2002). Pisolithus & mdashdeath of the pan-global super fungus. New Phytologist 153: 199 e ndash211.

Calonge, F. D., G. Guzm & # 225n & F. Ram & # 237rez-Guill & # 233n (2004). Observaciones sobre los Gasteromycetes de M & # 233xico depositados en los herbarios XAL y XALU. Bolet & # 237n de la Sociedad Micol & # 243gica de Madrid 28: 337 & ndash372.

Carlsson, R. & C. -A. H & # 230ggstr & # 246m (2005). Geastrum rufescens nas ilhas & # 197land, sudoeste da Finlândia. Karstenia 45: 63 e ndash68.

Coker, W. C. & Couch, J. N. (1928). Os Gasteromycetes do leste dos Estados Unidos e Canadá. Chapel Hill: University of North Carolina Press. Reimpresso por Dover Publications, 1974.

Demoulin, V. (1972). Esp & # 232ces nouvelles ou m & # 233connues du gênero Lycoperdon (Gast & # 233romyc & # 232tes). Lejeunia 62: 1 e ndash30.

Demoulin, V. (1973). Fitogeografia do gênero de fungo Lycoperdon em relação à abertura do Atlântico. Nature 242: 123 e ndash125.

Demoulin, V. (1976). Espécies de Lycoperdon com um exoperidium setose. Mycotaxon 3: 275 & ndash296.

Demoulin, V. (1983). Cl & # 233 de d & # 233termination des esp & # 232ces du genre Lycoperdon pr & # 233sentes dans le sud de l'Europe. Rev & # 237sta de Biologia 12: 65 & ndash70.

Demoulin, V. (1993). Calvatia paquiderma (Peck) Morg. e Gastropila fragilis (Lev.) Homrich et Wright, dois nomes possíveis para o mesmo fungo. Mycotaxon 46: 77 e ndash84.

Grand, L. F. (1976). Distribuição, plantas associadas e variação em basidiocarpos de Pisolithus tinctorius nos Estados Unidos. Mycologia 68: 672 e ndash678.

Gube, M. (2007). O desenvolvimento da gleba de Langermannia gigantea (Batsch: Pers.) Rostk. (Basidiomicetos) em comparação com outras Lycoperdaceae, e algumas implicações sistemáticas. Mycologia 99: 396 e ndash405.

Jarvis, S. S. (2014). O Lycoperdaceae da Califórnia. Tese de doutorado, San Francisco State University. 336 pp.

Kreisel, H. (1989). Estudos do complexo Calvatia (Basidiomicetos). Nova Hedwigia 48: 281 e ndash296.

Kreisel, H. (1992) Uma emenda e pesquisa preliminar do gênero Calvatia (Gasteromycetidae). Persoonia 14: 431 e ndash439.

Kreisel, H. (1993). Uma chave para o Vascellum (Gasteromycetidae) com algumas notas florísticas. Blyttia 51: 125 e ndash129.

Kreisel, H. (1994). Studies in the Calvatia complex (Basidiomycetes) 2. Feddes Repertorium 105: 369 & ndash376.

Lander, C. A. (1934). O desenvolvimento do corpo frutífero do álbum Arachnion. Journal of the Elisha Mitchell Scientific Society 50: 275 & ndash282.

Lange, M. (1990). Arctic Gasteromycetes II. Calvatia na Groenlândia, Svalbard e Islândia. Nordic Journal of Botany 9: 525 & ndash546.

Lange, M. (1993). Classificações do grupo Calvatia. Blyttia 51: 141 e ndash144.

Lloyd, C. G. (1908). Escritos micológicos. Volume II. Cincinnati.

Long, W. H. (1943). Estudos em Gasteromycetes: VIII. Battarrea laciniata. Mycologia 35: 546 e ndash556.

Long, W. H. (1946). Estudos em Gasteromycetes: XII. Cinco espécies de Tylostoma com exoperidia membranosa. Mycologia 38: 77 e ndash90.

Magallon-Puebla, S. & S.R. S. Cevallos-Ferriz (1993). Um fóssil de estrela terrestre (Geastraceae Gasteromycetes) do final do Cenozóico de Puebla, México. American Journal of Botany 80: 1162 e ndash1167.

Mart & # 237n, M. P. (1997). Exoperidium e esporos de Calvatia utriformis. Mycotaxon 61: 381 e ndash387.

Miller, O. K. & Miller, H. H. (1988). Gasteromycetes: características morfológicas e de desenvolvimento com chaves para as ordens, famílias e gêneros. Eureka, CA: Mad River Press. 157 pp.

Ponce de Leon, P. (1968). Uma revisão da família Geasteraceae. Fieldiana: Botany 31: 302 e ndash349.

Ramsey, R. W. (1980). Lycoperdon nettyana, uma nova puffball do oeste do estado de Washington. Mycotaxon 11: 185 e ndash188.

Rea, P. M. (1942). Fungos do sul da Califórnia. I. Mycologia 34: 563 e ndash574.

Reed, H. S. (1910). Uma nota sobre duas espécies de Calostoma. The Plant World 13: 246 & ndash248.

Ritchie, D. (1948). O desenvolvimento de Lycoperdon oblongisporum. American Journal of Botany 35: 215 & ndash219.

Smith, A. H. (1951). Puffballs e seus aliados em Michigan. Ann Arbor: University of Michigan Press. 131 p.

Stadler, M., T L & # 230ss & # 248e, J. Fournier, C. Decock, B. Schmieschek, H. -V. Tichy & D. Per & # 353oh (2014). Uma taxonomia polifásica de Daldinia (Xylariaceae). Studies in Mycology 77: 1 & ndash143.

Trierveiler-Pereira, L., A. W. Wilson, R. M. B. da Silveira & L. S. Dom & # 237nguez (2013). Gasteromicetos da Costa Rica (Basidiomycota, Fungi): Calostomataceae, Phallaceae e Protophallaceae. Nova Hedwigia 96: 533 e ndash544.

White, V. S. (1901). O Tylostomaceae da América do Norte. Boletim do Torrey Botanical Club 28: 421 & ndash444

Wright, J. E. (1987). O gênero Tulostoma (Gasteromycetes) & mdashA monografia mundial. Bibliotheca Mycologica 113. Berlin: J. Cramer. 338 pp.

Wright, J. E. (1990). Calvatia paquiderma (Peck) Morgan é Gastropila fragilis (Lev.) Homrich & Wright. Mycotaxon 37: 187 e ndash189.

Yuri, R. (2016). Gasteromycetes do gênero Lycoperdon na Rússia. Mikologiya I Fitopatologiya 50: 302 e ndash312.

Zamora, J. C., F. D. Calonge, K. Hosaka & M. P. Mart & # 237n (2014). Sistemática do gênero Geastrum (Fungi: Basidiomycota) revisitada. Taxon 63: 477 e ndash497.

Zamora, J. C., F. D. Calonge & M. P. Mart & # 237n (2015). A taxonomia integrativa revela uma diversidade inesperada na seção Geastrum Geastrum (Geastrales, Basidiomycota). Persoonia 34: 130 e ndash165.

Zeller, S. M. (1947). Mais notas sobre Gasteromycetes. Mycologia 39: 282 e ndash312.

Zeller, S. M. (1948). Notas sobre certos Gasteromycetes, incluindo dois novos pedidos. Mycologia 15: 639 e ndash668.

Este site não contém informações sobre a comestibilidade ou toxicidade dos cogumelos.


Cogumelo Puffball, você ficará bem se seguir o recurso One ID


Bovista aestivalis Cogumelo Puffball (Foto por: Ron Pastorino no Mushroom Observer / Wikimedia Commons)

O Cogumelo Puffball (Gênero:Calvatia, Bovista e outros) é um cogumelo comum facilmente identificável, mas tem alguns parecidos com muitos, muito venenosos, ou seja, cogumelos anjos destruidores jovens e cogumelos da capa da morte. Cogumelos puffball se enquadram em vários gêneros, a maioria deles são pequenos (menos de 3 "), mas há um puffball gigante (Calvatia gigantea) que pode crescer até um pé de diâmetro e é comestível.

Identificação Correta

Existe uma boa maneira de diferenciar os puffballs de sua aparência venenosa: você deve cortar o cogumelo ao meio, de cima para baixo. O interior dos cogumelos puffball comestíveis deve ser branco puro, como um marshmallow, ou como bolas de mussarela frescas, não deve haver padrões, ou marcas ou cores ou qualquer coisa diferente de branco puro e, especialmente, nenhum sinal de guelras. Se você seguir esta regra, poderá desfrutar da caça aos cogumelos puffball sem se preocupar. Nem todos os puffballs são comestíveis, e nem todos são comestíveis em todos os estágios, mas se você seguir a regra do branco puro por dentro sem marcas (especialmente guelras), então você só comerá puffballs comestíveis. Você pode comprar esporos para bolinhos comestíveis AQUI. Essas espécies são sinônimos de Calvatia gigantea, mas são referidas por um nome científico diferente.

Comestibilidade e uso culinário

Puffball gigante (Calvatia gigantea) (Foto por: Pavel Savela / Wikimedia Commons)

Puffballs têm um sabor suave de cogumelo que não é opressor; algumas pessoas o descrevem como um sabor terroso. Eles podem ser usados ​​em receitas no lugar da berinjela. A textura é como o tofu, então eles são um ótimo complemento para sopas. Eles devem ser comidos cozidos, assados, fervidos ou fritos na manteiga são formas comuns de comer esse cogumelo. Embora seja possível congelá-los ou secá-los, eles ficam melhores quando comidos logo após a colheita, esse pode ser um dos motivos pelos quais não são um item de mercearia popular. Veja nossa receita de cogumelos folhados à milanesa para uma maneira de prepará-los. Lavar o interior do cogumelo não é uma boa ideia, pois ele absorve a água como uma esponja e fica empapado. Se você estiver preocupado com sujeira ou germes, pode remover a casca dos cogumelos.

Benefícios para a saúde

Os benefícios nutricionais e de saúde dos alimentos silvestres não são estudados o suficiente. Mas há um possível benefício importante para a saúde em comer bolinhos do gênero Calvatia. Uma substância química chamada calvacina foi encontrada em puffballs do gênero calvatia. Calvacin agora está sendo estudado como uma droga contra o câncer potente por causa de suas propriedades antitumorais. Os estudos ainda estão em andamento e não houve grandes avanços, mas é conhecido por prevenir tumores quando tomado regularmente.

Lycoperdon pyrforme Cogumelo Puffball (Foto por: Bernd Gliwa / Wikimedia Commons)

O principal cuidado desse fungo é certificar-se de que ele seja identificado corretamente, se você comer um cogumelo acidentalmente no Amanita gênero especialmente destruindo anjo (Amanita bisporigera, ocreata, ou virosa) ou deathcap (Amanita phalloides), você provavelmente morrerá em 24 horas. Mas a regra mencionada acima sobre garantir que o cogumelo seja branco puro é universalmente aceita e irá mantê-lo seguro. Reações alérgicas raras foram relatadas e geralmente são mínimas, então sempre coma uma pequena porção de qualquer alimento novo e espere antes de se deliciar com grandes quantidades.

Este é um ótimo cogumelo para a caça de cogumelos, especialmente o puffball gigante porque é quase impossível de identificar erroneamente. Tem um sabor suave e uma textura familiar. Pode ser cozinhado e adicionado a vários tipos de pratos. Portanto, com uma regra de identificação a seguir, este pode ser um ótimo alimento selvagem para adicionar à sua lista.

Muitos de nossos leitores descobrem que assinar o Eat The Planet é a melhor maneira de garantir que não percam nenhuma das nossas valiosas informações sobre alimentos silvestres.


Fazendo uma Impressão de Esporo de Cogumelo

Figura 1. Impressão de esporo verde-acinzentado produzida pelo cogumelo Chlorophyllum molybdites. Crédito da foto: Curtis E. Young, Ohio State University

A cor dos esporos de um cogumelo é importante para a identificação. Você pode determinar a cor do esporo fazendo uma impressão de esporo (Figura 1). Primeiro, corte o caule e coloque a tampa do cogumelo, guelras ou poros para baixo, em um pedaço de papel, lâmina de vidro ou folha de estanho. Cubra a tampa com uma tigela pequena, xícara ou embrulhe em papel alumínio e não mexa por 2 a 24 horas, dependendo do frescor do cogumelo (8 horas geralmente funcionam bem). Se sua impressão de esporos for bem-sucedida, você deve ter um depósito de esporos visível sob a tampa do cogumelo. Registre a cor dos esporos e salve o depósito quando terminar. O laboratório de diagnóstico de plantas não exige uma impressão de esporo quando as amostras de cogumelos são enviadas.


Cogumelos do Missouri

Os cogumelos sempre foram uma parte importante das culturas humanas em todo o mundo. Os astecas e muitas comunidades da América do Sul tiveram extensos usos medicinais e enteogênicos para eles, enquanto vários contos de nações europeias giram em torno desse fungo misterioso e atraente. Hoje, os cogumelos têm um uso mais prático, muitas espécies (como o shiitake, a ostra comum ou os cogumelos enokitake) se tornaram a base de nossa paleta culinária. Além disso, os cogumelos continuam abrindo portas para novas descobertas nos campos da medicina e da biologia. No entanto, a essência da micologia ainda reside na emoção da caça. Os micologistas continuam a descobrir novas espécies de cogumelos todos os anos durante as forragens comunitárias em todo o mundo. Mas tenha cuidado! Apesar de seus atrativos e muitos benefícios, os cogumelos podem ser extremamente perigosos; há uma série de espécies cujos sintomas adversos após a ingestão incluem estados de coma ou mesmo morte. Sendo assim, é extremamente importante ter um conhecimento completo do que você está lidando, caso decida procurar algum fungo. Este guia fornecerá os fundamentos necessários para começar, mas é altamente recomendado que você use as fontes vinculadas para fornecer uma compreensão mais detalhada de cogumelos específicos que você possa encontrar.

The Iconic Fly Agaric (Amanita Muscaria) Foto de Bernard Spragg [domínio público]

O que são cogumelos?

Os cogumelos são o corpo frutífero de um fungo que contém os esporos reprodutivos das plantas. Ou seja, são frutos de fungos que facilitam a reprodução dos organismos. O fungo real reside sob o solo como uma rede de fios conhecida como hifas. Quando duas hifas compatíveis se encontram, elas podem formar um micélio, o que permite a frutificação de um cogumelo. Embora sejam caracterizados como membros do reino vegetal, eles carecem de clorofila e, subsequentemente, não podem fotossintetizar. Eles dependem da matéria orgânica como fonte de alimento e são divididos em três grupos distintos com base em como obtêm sua nutrição.

  • Saprófitas: vivem em matéria de planta morta ou nas fezes de alguns animais.
  • Parasitas: Agarre-se a plantas ou animais vivos.
  • Micorrízico: esses tipos de cogumelos têm uma relação simbiótica com uma planta, por meio da qual seu micélio (parte vegetativa subterrânea de um cogumelo) se liga ao sistema radicular de uma árvore ou arbusto, fornecendo à árvore água e nutrientes extras. Em troca, depois que a árvore é fotossintetizada, ela passa carboidratos para os fungos.

Anatomia

Cap (Pileus): O cap é a parte superior do cogumelo e fornece suporte para a superfície de apoio dos poros. A tampa de um cogumelo pode variar muito entre as espécies. A forma, a textura, o nível de umidade, a cor e o cheiro podem ajudar a distinguir os cogumelos devido à sua cobertura. A camada superficial de um gorro é conhecida como cutícula, e a carne do cogumelo fica embaixo.

Asco: A célula portadora de esporos produzida em Ascomycetes que normalmente consiste em 8 esporos individuais, embora o número (e forma) dos Ascus e respectivos ascósporos possam variar.

Basidium: As células portadoras de esporos produzidas em Basidiomycetes (essas células produzem Basidiósporos). Mais uma vez, o número de Basidiósporos pode variar de 2 & # 8211 8.

Brânquias (Lamela): As brânquias são o lar do Ascus portador de esporos para alguns cogumelos. As brânquias irradiam para fora do caule em ângulos diretos de 90 graus (adnate) ou obliquamente em ângulos de 45 graus (anexados). Nem todos os cogumelos têm guelras! Cogumelos classificados como Basidiomicetos, como Boletes e Políporos, são únicos por sua falta de guelras e têm uma & # 8220camada tubular & # 8221 de colunas carnudas verticais sob sua tampa. Os Basidia (o agente microscópico produtor de esporos) estão localizados dentro das paredes dos tubos.

Caule: o caule geralmente se origina do centro da capa de um cogumelo, mas também pode estar localizado lateralmente (lateral), ou inexistente, o que normalmente significa que cresce em madeira onde os esporos têm altura adequada para cair.

Véus: uma membrana que protege as partes incipientes de um cogumelo (especificamente as guelras ou o cogumelo inteiro em estado imaturo). O véu é rompido à medida que o cogumelo cresce. Um véu que cobre todo o cogumelo é conhecido como universal, ao passo que é parcial se cobrir apenas as guelras do cogumelo. Quando os véus são quebrados, a parte restante perto do topo da haste é conhecida como um anel. A parte restante de um véu universal que se parece com uma xícara na parte inferior da haste é conhecida como volva.

Classifcações Hiearchicas de Cogumelos:

Ordens ou famílias em negrito podem ser comumente encontradas em Missouri, de acordo com descobertas determinadas pela Sociedade Micológica de Missouri.

Ascomicetes:

  • Classe: Discomicetes (Fungos de Disco)
    • Pedido: Pezizales (Cup Fungi e Aliados)
    • Helotiales (línguas terrestres)
    • Tuberales (trufas)
    • Sphaeriales (Frascos Ostiole)

    Basidiomicetos:

    • Hymenomycetes (Fungos Hymenium Expostos)
      • Tremellales (Jelly Fungi)
      • Aphyllophorales (fungos de coral e poros)
        • Família: Cantharellaceae (Cantarelos)
        • Clavariaceae (Fungo de coral)
        • Coniophoraceae (podridão seca)
        • Corticiaceae (fungo da crosta)
        • Hydnaceae (fungo do dente)
        • Hymenochaetaceae (Hymenochaete)
        • Polyporaceae (Polypore)
        • Schizophyllaceae (Schizophyllum)
        • Stereaceae (fungo de pergaminho)
        • Agaricaceae (Agaricus e Lepiota)
        • Amanitaceae (Amanita)
        • Bolbitiaceae (Bolbitius)
        • Boletaceae (Bolete)
        • Coprinaceae (Inky Cap)
        • Cortinariaceae (Cortinarius)
        • Crepidotaceae (Crepidotus)
        • Entolomataceae (Entoloma)
        • Gomphidiaceae (Gomphidius)
        • Hygrophoraceae (Hygrophorous)
        • Paxillaceae (Paxillus)
        • Pluteaceae (Plúteo)
        • Russulaceae (Russula)
        • Strophariaceae (Stropharia)
        • Tricholomataceae (Tricholoma)
        • Hymenogastrales (bolinhos dourados)
        • Podaxales (Desert Inky Cap Fungus)
        • Gautieriales (Puffballs Cromados)
        • Lycoperdales (puffballs)
        • Nidulariales (fungos de ninho de pássaro)
        • Phallales (Stinkhorns)
        • Esclerodermatales (False Puffballs)
        • Tulostomatales (Puffballs Stalked)

        Myxomicotina:

        ESTA É APENAS UMA CLASSIFICAÇÃO TAXONÔMICA PARCIAL DE TODOS OS COGUMELOS: Se você estiver interessado em uma pesquisa mais abrangente, consulte estas fontes:

        Considere também os guias de campo:

        Tenha em mente que classificar cogumelos é extremamente difícil e sempre sujeito a mudanças (como resultado de novos métodos de identificação se tornando padrão no mundo micológico), portanto, a maioria dos relatos terá algumas diferenças ou discrepâncias. Tenha certeza de que essas imprecisões estão em grande parte dentro do nível de espécie, portanto, nenhum cogumelo rotulado como & # 8220 comestível & # 8221 será de fato venenoso! Abaixo está um resumo generalizado das características dos tipos mais populares de cogumelos que você pode encontrar forrageando; as descrições abaixo não estão completas.

        Ascomytes:

        Cup Fungi (Pezizales): Esta ordem de cogumelos, que categoriza várias espécies, é exclusiva para seus asci, que são estruturas cilíndricas com esporos que geralmente contêm 8 esporos. Comum no início da primavera, antes de a maioria dos cogumelos guelados brotar, os Pezizales podem ser encontrados em madeira apodrecida ou em áreas úmidas, e podem ser facilmente identificados (a maioria deles são bastante coloridos). As espécies neste grupo incluem Morel, False Morel e, claro, muitos tipos de fungos de xícara.

        Língua Terrestre (Helotiales): Esta é outra ordem ampla que contém uma variedade de cogumelos, incluindo línguas de terra, leques de fadas, gotas de geléia e xícaras de fadas peludas. Geralmente pequenos, esses cogumelos crescem em madeira úmida ou caules de plantas e frequentemente são bastante coloridos. Nenhum Helotiales foi classificado como comestível. Eles têm asci em forma de clube.

        Basidiomicetos:

        Agaric (Agaricaceae): A família Agaric é o lar da maioria dos cogumelos comuns que cultivamos para fins culinários.

        Amanita (Amanitaceae): A família Amanita é o lar do icônico & # 8220 cogumelo & # 8221, vermelho com manchas brancas pontilhando a tampa, no entanto, Amanita & # 8217s têm variação significativa em sua aparência física. Todas as Amanitas têm um véu universal, frequentemente deixando a volva em forma de xícara na base do cogumelo depois de crescido. Além disso, os Amanitas também têm um véu parcial que envolve as guelras do cogumelo e deixará um anel de tecido logo abaixo da tampa. Normalmente, as brânquias estão livres do pedúnculo. Um último fator de identificação importante é a impressão universal de esporos brancos que todos os Amanitas terão. É extremamente importante identificar corretamente um Amanita, pois eles apresentam uma ampla gama de cogumelos altamente venenosos, desde o Death Cap, freqüentemente letal, até o Fly Agaric indutor de delírio. O último cogumelo contém ácido ibotênico, uma neurotoxina, e muscimol, o agente psicoativo dentro do cogumelo, que pode causar sérios danos quando ingerido e deve ser evitado com cuidado. Um cogumelo como o Death Cap contém amatoxinas que efetivamente retardam a criação de RNA mensageiro e falotoxinas que são tóxicas para as células vier. Uma compreensão mais abrangente dos efeitos químicos adversos dos cogumelos pode ser encontrada abaixo.

        Polypores (Polyporaceae): Como Boletes, Polypores têm a mesma camada de tubo revestido de basidia sob sua tampa (virar o cogumelo é uma boa ideia visual de porque Polypore significa & # 8220 muitos poros & # 8221). Políporos, muitos dos quais perenes, são semelhantes a prateleiras ou não têm caule e geralmente crescem na madeira. Quanto à comestibilidade, nenhum é fatalmente venenoso, embora alguns possam incorrer em pequenas altercações. Geralmente, os pólipos não são deliciosos para comer, mas são comestíveis bem escolhidos. Às vezes pode ser difícil distinguir o raro Polypore perseguido de um Bolete, um bom teste de campo é verificar se a camada do tubo pode se desprender facilmente da carne da tampa (isso indica que você tem um Bolete em suas mãos )!

        The & # 8220Chicken Mushroom & # 8221 (Laetiporus sulphureus) Foto de Ivan Kornev [domínio público]

        Outro poliporo crescendo em uma longa decadência Foto de Camden Dyer

        Chantrelles (Cantharellaceae): Chantrelle & # 8217s são bem conhecidos por serem cogumelos comestíveis populares. Esses cogumelos são geralmente laranja ou amarelos e convexos ou em forma de vaso. A falta de guelras pode ser um pouco enganosa, pois a parte inferior do cogumelo apresenta cristas ou dobras semelhantes às das guelras onde os esporos são produzidos.

        Puffballs (Lycoperdales): Puffballs são icônicos por sua capa esférica e falta de um pedúnculo (ou pseudocaule em alguns casos), bem como o & # 8221puff & # 8221 de esporos que podem jorrar do topo do cogumelo quando são tocados. Esta ilusão & # 8220sfumosa & # 8221 se manifesta quando a massa de esporos do puffball & # 8217s (a gleba) passa de uma massa branca sólida para uma massa poderosa. Esses cogumelos são comestíveis bem escolhidos.

        Uma foto de Puffball comum por Camden Dyer

        Stropharia (Strophariaceae): A família Stropharia é mais procurada por seus cogumelos alucenogênicos psilocibina, embora isso apenas represente uma parte da espécie dentro da família. As estrofarias são decompositores e normalmente crescem em esterco ou madeira em decomposição. É inteligente fazer um delineamento entre as estrofarias por causa de suas impressões de esporos, já que a maioria das outras diferenças está no nível microscópico.

        Boletes (Boletaceae): A família Bolete apresenta cerca de 200 espécies na América do Norte, a maioria das quais comestíveis, embora haja um punhado de espécies venenosas (evite quaisquer Boletes com poros de laranja a vermelho, especialmente se eles apresentarem manchas azuis). Boletes, cogumelos com caule, são definidos por sua característica falta de guelras, onde uma espessa camada de tubos projetados para lançar esporos fica abaixo da tampa. Alguns gêneros de Boletes apresentarão um véu parcial e o anel residual próximo à tampa e à camada do tubo. Pode ser útil verificar os hematomas dos Boletes, pois uma importante característica de identificação será sua tendência a hematomas azul-esverdeados, enegrecidos ou avermelhados quando manuseados ou cortados.

        Uma foto do bolete por Bernard Spragg [domínio público]

        Russulas (Russulaceae): Russula geralmente tem cores brilhantes e grandes gorros circulares, no entanto, eles são mais notáveis ​​por sua carne escamosa e frágil (colher um cogumelo Russula deve resultar na frenagem pitoresca de suas guelras). Normalmente, você pode encontrar esses cogumelos no solo, crescendo fora das raízes das árvores (uma relação micorrízica). A grande maioria dos Russulas são comestíveis, embora algumas espécies venenosas tenham sido classificadas; a regra geral é ficar longe de qualquer que tenha um sabor acre.

        Uma colorida Russula Photo by & # 8220marianne & # 8221 [Domínio Público]

        Pluteus (Pluteaceae): A família Pluteus apresenta vários cogumelos, muitos dos quais podem ser identificados por causa de suas guelras livres e impressões de esporos rosa escuro. Além disso, a maioria crescerá em fontes de madeira em decomposição (incluindo depósitos de serragem). A maioria é considerada comestível e nenhuma foi identificada como venenosa, embora algumas espécies contenham psilocibina (no entanto, elas ficam azuladas como a maioria dos outros cogumelos psicoativos).

        Clavariaceae (Coral Fungus): Estes são alguns dos cogumelos mais exclusivos que você pode encontrar na natureza. Apropriadamente nomeado, Clavariaceae se parece muito com coral marinho, e algumas espécies podem ser bastante coloridas. You’ll find most coral fungi growing off of sources of decaying wood generally in the late summer or beginning of fall. Most are edible and although no species are known to cause serious adverse symptoms, some have the propensity to cause diarrhea or other forms of discomfort in the bowel.

        Crown Coral Fungus (Clavicorona pyxidata) photo by USFWS Midwest Region [Public Domain]

        Cultivating and Harvesting Mushrooms

        Process of Making a Spore Print:

        Spore prints are useful for determining the color of a mushroom’s spores, a helpful metric for identification. An effective spore print consists of the following steps:

        1) Take two pieces of paper, a black and a white piece, and tape them together so that it is half black and half white. (Aluminum foil also works)

        2) Separate the cap from the stem and put the cap, spore surface facing down, in the middle of the two pieces of paper.

        3) Put a drop of water on the cap to facilitate the release of spores and cover the entire function with a bowl and allow anywhere between 2-24 hours for the spores to settle.

        4) If you are inclined to preserve the print, coating it with artist or hairspray will help conserve it.

        Growing Mushrooms:

        Cultivating mushrooms for consumption is no easy task, each species must be maintained at extremely specific conditions (requiring a fair amount of time and effort) to ensure they grow consistently. Here is a general breakdown of the process for growing your own mushrooms:

        1) Decide what type of mushroom you are going to grow and how you are going to grow it. You’ll need to consider factors such as temperature, humidity, amount of sunlight… for each individual species so consider what the weather is like where you live. For instance, oyster mushrooms (arguably the most popular cultivated fungus) need warm temperatures (68-75 F) and a dark, moist room to fruit, so don’t try to cultivate this species in the heat of the summer or the middle of the winter.

        2) An important part of growing mushrooms is having a functional substrate. A substrate is a tempered substance that will allow the mycellium of your fungus to grow as if it were in the wild. There are a number of diffrent substrates that you can use anything from straw to sawdust to woodchips will work (make sure to look up what is most conducive for the specific species that you intend to grow)!

        3) After you’ve created you substrate, it would be wise to treat it. Treating will help remove microscopic organisms that would otherwise act as competitors to your sprouting mycellium. There are four main methods of treating your substrate: – Pasteurization – Lime Bath – Peroxide Treatment – Cold Fermentation —> Look here for the specifics of how to treat your substrate using these methods: https://namyco.org/preparation_of_substrates.php

        4) Now it’s time to inocualte your substrate. You will need to either obtain a culture of your desired species from spores yourself or simply buy spawn online from a mushroom supplier. Once obtained, you’ll mix the spawn with the substrate. The mixed substrate can be placed in a variety of containers (an open tray, a bucket, a large bin) – just make sure that it is either open or perforated (this includes drilling holes in the side of a bucket so that the fungus has space to fruit).

        5) Now it’s time to sit back and wait for your fungus to start fruiting (aka producing mushrooms). Many species will require a change in temperate or location once they begin fruiting, so make sure you have an auxilliary location where you can quickly transfer your fungus for optimal growth.

        The Types of Poisonous Mushrooms

        The lethality and adverse affects of the various toxins within mushrooms varies drastically, listed below are a few of the harmful compounds within mushrooms that you should definetly keep an eye out for, and have some notion of what you can do in a compromising scenario involving poisonous mushrooms. Along with each toxin are a few of the mushrooms listed that contain the toxin. You should research every single mushroom you intead to eat before doing so, epsecially if it comes from one of the families lsited below.

        Amanitin: (Amanita phalloides, Amanita virosa, Amanita verna, Galerina autumnalis)

        As mentioned above, numerous mushrooms from the genus Amanita are imbued with this highly toxic amatoxin. Inadvertently ingesting any form of Amanitin will lead to diarrhea and stomach cramps within 10-24 hours, as it will cause liver cells to burst through cytolysis. Shortly following this bout of discomfort, the symptoms will seemingly fade until approximately a week after ingestion when the much more serious affects begin to set in. Liver and kidney failure, alongside convlusions, comas, and ultimately death will quickly ensue. If you believe that you may have ingested any mushroom containing an amatoxin, your best move would be to test your urine and then immediately have your stomach pumped although medical attention can counterract the affects of the toxin within 1-2 weeks if it has already advanced to a comprimising stage.

        Monomethylhdrazine: (Gymotria esculenta, Gymotria gigas)

        This compound is frequently used in rocket fuel but can also commonly be found in mushrooms of the genus Gyromitra, and manifests more specifically as the poison gyromitrin. The toxin binds within an individual’s central nervous system and can lead to nausea, stomach cramps, diarrhea, and in high enough doses, comas and ultimately death. Yet even with these dangerous symptoms, many Gyromitra mushrooms are quite desirable for their edibility. The toxin is water soluble and can reliably be eliminated by dicing a mushroom into small pieces and then boiling it numerous times.

        Orellanine: (Cortinarius orellanus, Cortinarius gentilis)

        Again, Orellanine can be exceptionally dangerous on account of the fact that symptoms do not begin until 3-14 days after the initial ingestion. The first signs of poisining include polydipsia (prompts excessive thirst) and excessive urination, followed by nausea, bowel irritations, and ultimately kidney failure in extreme scenarios.

        Muscarine: (Amanita muscaria, Inocybe geophylla, Clitocybe dealbata)

        Muscarine is a neurotoxin with symptoms that occur very quickly after ingestion. they are not as severe as some of the others on this list and range from perspiration, nasuea, diarrhea, and blurred vision to, in some exceptional cases normally amongst individuals with preexisting respiratory conditions, death. Atropine can be used to effectively treat a Muscarine poisining, which is highly advisible since the effects can become much more comprimising if the toxin reaches the brain.


        Giant Puffball Mushroom Identification

        Giant puffball mushroom identification is fairly easy. Their physical appearance is usually unmistakable, although there is an important safety rule to follow:

        When you find a puffball, always slice it open lengthwise and check the inside. It should be firm white flesh, with no developing gills. If you see any evidence of gills, disregard immediately. Some species, including the deadly amanita, have a "universal veil" of tissue that surrounds the mushroom when young. This can make it look like a puffball.

        If your mushroom is the size of a soccer ball, it's extremely unlikely that you've found an amanita. However, in the interest of safety you should always cut it open and check. You want the inside to be white and firm, with no other colors or structures present. Always do this!

        Here are some other important puffball mushroom identification features:

        Giant puffballs are aptly named. They are usually quite large, reaching soccer ball size or bigger. They usually have a circumference (distance around) of 4 to 30 inches, although larger ones are not uncommon.

        There is no distinct cap and stem with these mushrooms instead they exist as just large, white globes. They may not be perfectly round.

        Giant puffballs are white with firm white flesh inside. If they appear yellowish or brown is means that the mushroom is about to/has gone to spore, and is not edible anymore.

        Before the mushroom turns brown or becomes too mature, there will be a point when the white the exterior cracks and the white interior shows through. This is a good time to harvest the giant puffball for cooking.

        Spore print:

        Brown, although by the time it releases its spores it's long past the point of being edible.

        • Found in open, grassy fields and meadows, although they can appear in deciduous forests. Many people find them in well-fertilized open areas such as their lawn.
        • Always grow on the ground, never on trees or logs.
        • Grow all over both North America and Europe

        Time of Year:

        Late summer to early fall, usually August through October depending on the region.

        Note that there are other species that are sometimes considered "giant puffballs" besides Calvatia gigantea . Depending on where you live, your mushroom may look a little different. Get in touch with your local mycology club to learn more about what's in your area!


        Identifying Puffball Mushrooms

        There are many species of mushroom that look like puffballs when they’re small, including several toxic species. When cut in half though, it’s easy to identify puffballs. Mushrooms with gills may look round while they’re immature, but their telltale gills will still be developing inside. If a mushroom is a pure white on the inside, with no sign of gills at all, then it’s a puffball.

        Still, there are a few puffballs that are toxic, so a lack of gills isn’t a sure sign that you have an edible puffball mushroom. A lack of gills and a pure white interior are both required to identify edible species. Toxic puffball look-alikes either have gills, or they’re not white on the inside.

        It’s not at all ambiguous. No gills and white means puffball, and gills and any other color is no good. Poisonous puffball species don’t mess around, and a black puffball is a toxic puffball.

        This puffball look alike lacks interior gills, but the flesh is dark black. Edible puffballs are pure white inside. Image Source

        Since puffballs don’t have gills, they have to get their spores out into the world somehow. They do it by converting their entire mushroom bodies into pores, which has me uniquely impressed. Once a puffball has passed the edible stage, the interior will begin to turn yellow or green, and that’s the mushroom entering its reproductive phase.

        Puffballs with a green or yellow interior are no longer edible, but it’s not necessarily an indication that you’ve found a toxic species. It may be a perfectly edible puffball species but you’re just a week too late. The same patch of puffball mushrooms, a week later, will be a completely different find. Mine, in particular, turned a very unambiguous green on the inside and puffed out a cloud of spores as I opened them.

        Overripe Green Puffball Mushroom

        Once puffballs have begun to change color on the inside, do them a favor and step on them. Jumping on a patch of puffball mushrooms pops them open and helps send their spores far and wide. You may have missed out on this patch this time, but dispersing their spores will help you have better luck next time.

        Besides, it’s fun. Overripe puffballs are basically just tough skins full of millions of tiny spores that pop on contact. If you ever stomped packing bubbles as a kid, you’ll love stomping puffballs. My daughter took my invitation to puffball stomping seriously and gladly went to work.

        Stomping overripe puffball mushrooms helps to disperse their spores.

        A potential edible look-alike is shrimp of the woods, though they’re only vaguely similar. Shrimp of the woods mushrooms are a strange aborted mushroom growth that fruits out when honey mushrooms come into contact with another mushroom known as Entoloma abortivum. They’re brownish/white blobs with a pink/white interior, and like puffballs they have no visible gills inside.

        Shrimp of the woods are edible, and here’s a recipe if you find them.


        Cooking Puffballs

        Giant puffball mushrooms are edible. Some say they have no real taste of their own and just absorb the flavors around them like tofu. Others have described their taste as rich, earthy, and nutty. If you're lucky enough to live in an area where they're sold, you can pick one up at the store. The rest of us have to find them in the wild.

        There are two main concerns when harvesting a giant puffball: First, you need to correctly identify the mushroom and second, you need to pick it at the right age. To know if it is at the right age, cut it open. It should have thick, hard, white flesh inside. Do not eat anything with a brown, black, purple, or yellow interior. Eat them soon after harvesting, puffballs do not keep well. The most popular way to eat them is to fry them in oil with batter.


        Different Kinds of Fungi

        Fungi are found to exhibit both sexual and asexual mode of reproduction. They are mainly classified into seven phyla or divisions on the basis of the types of spores, and the nature of the reproductive structures they form.

        Chytridiomycota

        Chytridiomycota can be found all over the world, and they are commonly known as chytrids. The name is derived from the Greek word chytridion, meaning ‘little pot’, which refers to the pot-like structure that contains the unreleased spores. They produce mobile zoospores for propagation. The movement of these spores is facilitated by the single flagellum present on their body. Chytrids are quite distinct from other divisions of fungi, and they are composed of four main clades.

        Blastocladiomycota

        The fungi belonging to the phylum Blastocladiomycota were initially included in a clade that constituted the phylum Chytridiomycota. But recently, on the basis of the results of molecular data and the characteristic of their ultrastructures, they are placed as a sister clade to Zygomycota e Glomeromycota. They can be saprotrophs, and they can exhibit sporic meiosis.

        Neocallimastigomycota

        Inicialmente, Neocallimastigomycota belonged to the phylum Chytridiomycota. The fungi that belong to this phylum are generally found in the digestive tract of herbivorous animals. The fungi of this phylum are anaerobic, i.e., they can thrive in the absence of oxygen. They can exist both on land and in water. Like Chytridiomycotas, they form zoospores that contain single or multiple flagella.

        Zygomycota

        Most of the fungi belonging to the phylum Zygomycota are saprobes. They are commonly known as sugar or pin molds. They can reproduce both sexually and asexually. For sexual reproduction, they produce zygospores, while asexual reproduction is carried out by means of sporangiospores. Some common type of fungi that belong to this phylum are, black bread mold, mucor, rhizomucor, rhizopus, and pilobolus species.

        Glomeromycota

        This phylum contains approximately 200 species of fungi, which mainly reproduce asexually. They draw nutrition from plants, and form arbuscular mycorrhizas with higher plants. The fungus basically penetrates the cortical cells of the roots of a plant, and form arbuscular mycorrhizas. These specialized structures help the plant derive nutrients from the soil. According to scientific estimates, the symbiotic relationship between plants and glomeromycotas dates back to 400 million years.

        Ascomycota

        Você gostaria de escrever para nós? Bem, estamos procurando bons escritores que queiram espalhar a palavra. Entre em contato conosco e conversaremos.

        Ascomycotas are also known as sac fungi. Ascomycota is the largest phylum of fungi that contains more than 30,000 species. The fungi of this phylum reproduce sexually, and produce ascospores in a sac-like structure, called ascus. However, some species are found to reproduce asexually. Some common Ascomycotas are, mushrooms, morels, yeasts, and truffles. They can be saprotrophs and parasites. They can also establish symbiotic relationships with plants. Aspergillus, Penicillium, e Claviceps are some important genera that belong to the phylum Ascomycota.

        Basidiomycota

        The members of this phylum are also called club fungi or basidiomycetes. They produce basidiospores for reproduction. The spores are produced in a specialized club-like structure, called basidium. The phylum includes several species like mushrooms, rust, and smut fungi.

        Fungi play an important role in the ecosystem as decomposers. Though some of them are pathogens, many of them are widely used for the preparation and preservation of food like wine, beer, bread, cheese, and soy products. Fungi like mushrooms and truffles are an important food source. Several species of fungi are also used to produce antibiotics like penicillin and cephalosporin, and some important vitamins.

        Postagens Relacionadas

        Você sabia que os fungos não têm clorofila? Este tipo de forma de vida pode causar doenças em humanos e também pode ser usado para fazer queijo pelo processo.

        Flatworms are soft-bodied invertebrates. This article provides an insight about the various types of flatworms and their life cycles.

        As bactérias são organismos microscópicos que formam um enorme mundo invisível ao nosso redor e dentro de nós. They are infamous for their harmful effects, whereas the benefits they provide are seldom known.&hellip


        Assista o vídeo: JAK ZASADZIĆ GRZYBY W OGRODZIE? SADZIMY BOROWIKI! Boletus! SAM ZASADŹ GRZYBY! MIKORYZA (Janeiro 2022).